Chineses vão disputar nova linha de trem entre SP e Americana.

Postado em: 10-08-2019 por:cptmcampinas | Visitas: 531 | Comentários:0

0

Imagem: viatrolebus.com.br

A empresa chinesa CR20 vai participar da licitação para a construção do trem que pretende ligar São Paulo a Americana.

A obra é uma das mais vistosas no pacote apresentado pelo governador paulista, João Doria (PSDB), em sua viagem à China para buscar investimentos para São Paulo.

Doria estará nesta quarta-feira (7) em Xian para fazer o anúncio com os chineses.

A modelagem em estudo, feita em parceria com o Banco Mundial, prevê até R$ 7 bilhões de investimentos ao incluir no pacote a linha 7 – Rubi da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), com uma alternativa R$ 1 bilhão mais barata se as locomotivas usarem biodiesel.

Em princípio, deverá ser licitada uma PPP (Parceria Público-Privada) na qual estado e vencedor entram cada um com 50% do investimento.

A ideia do governo é ter o processo encerrado até 2020, para o início de obras. Ainda faltam detalhes, como a utilização ou não de trechos já existentes da antiga malha federal para carga na região, o que também depende do tipo de trem a ser empregado.

A previsão inicial do negócio, sem integrar o trem metropolitano, era de R$ 5,8 bilhões. Com a linha 7, que liga a estação da Luz a Jundiaí, a demanda diária sobe de 470 mil para 700 mil usuários.

Os trechos a serem licitados têm ao todo 135 km. Numa fase posterior, o trem deve se desdobrar para São José dos Campos.

A CR20 também tem interesse no metrô paulistano. A área de infraestrutura é a mais estruturada em termos de oferta na viagem do tucano.

Na segunda-feira (5), Doria se reuniu com outra grande empresa do setor, CRCC. A diferença, como diz o governador, é que cada área do Estado chinês busca ocupar um nicho do mercado.

Ao todo, o governo paulista oferta R$ 36,4 bilhões em privatizações e parcerias em 21 projetos.

INTERLIGAÇÃO

Após seguidos planos que empacaram nas últimas décadas para conectar cidades do interior à capital paulista por linhas de trens, o governo João Doria (PSDB) decidiu retomar essa antiga promessa de seguidos governos paulistas.

O primeiro passo deverá ser a interligação das cidades de Americana, Campinas e São José dos Campos a São Paulo, com o projeto TIC (Trem Intercidades).

Só nos últimos 15 anos, já foram apresentados quatro projetos do tipo, incluindo um do governo federal. Sem estudos aprofundados e garantias de financiamento, os planos nunca avançaram.

Durante a campanha, Doria disse que iria “tornar realidade o projeto da ligação ferroviária rápida, confortável e eficiente” entre as principais regiões metropolitanas. Segundo ele, isso será viável graças a uma PPP (parceria público-privada) com a participação de investidores estrangeiros.

A promessa de Doria foi a de interligar Americana e Campinas, Sorocaba, Pindamonhangaba e Santos à capital, conectando uma área que reúne mais de 20% do PIB nacional.

Segundo uma propaganda eleitoral de Doria, os trens teriam uma velocidade média de 170 km/h.

Fonte: Abifer

Doria cogita trem a biodiesel entre SP e Campinas.

Postado em: 09-08-2019 por:cptmcampinas | Visitas: 615 | Comentários:0

0

shutterstock/xp3.com.br

Composições movidas a combustível tornariam a obra mais barata, segundo Alexandre Baldy, secretário dos Transportes Metropolitanos.

A nova proposta de trens intercidades em estudos pelo governo de São Paulo aponta agora para uma composição com locomotiva movida a biodiesel.

O projeto seria viabilizado em uma Parceria Público-Privada (PPP), em que o Estado investiria 50% do capital necessário para a obra e o setor privado, a outra metade.

É o que afirma o secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, que acompanha o governador João Doria (PSDB) em missão à China.

A locomotiva a biodiesel reduziria em cerca de R$ 1 bilhão os custos para a instalação da estrada de ferro, segundo o secretário.

Baldy disse ainda que a modelagem econômica incluiria a concessão da Linha 7-Rubi da Companhia Paulista de Trens Metropolitanas (CPTM), ramal de trens de subúrbio que, hoje, liga a capital à Jundiaí, passando pelas cidades de Francisco Morato, Caieiras e Franco da Rocha.

A concessão das linhas existentes da CPTM já havia sido anunciada como um estudo em andamento no governo.

A alternativa ao uso do biodiesel é o uso de trens elétricos, como os que já operam hoje, e tem emissão de poluentes atmosféricos próxima a zero. O Banco Mundial atua na modelagem da licitação, segundo o governo.

A volta de trens regionais ligando a capital ao interior do Estado é um projeto prometido por todas as gestões do governo paulista desde 2006 — naquele ano, já se falava em PPP. O projeto já teve cenários diferentes, e agora se trata de uma proposta de ligação entre Campinas, a capital e São José dos Campos, ao custo de R$ 7 bilhões.

A comitiva de Baldy e Doria tem 35 empresários paulistas. O governador saiu de uma reunião ocorrida na sede da China Railway Construction Corporation (CRCC), estatal de ferrovias chinesa, afirmando que a empresa “demonstrou interesse” em participar do projeto.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, Baldy afirmou que a estatal entrará na licitação.

A intenção da empresa será formalizada nesta quarta-feira. em um protocolo assinado em uma cerimônia com o governador. Um dos objetivos da viagem é promover o projeto de desestatização de ferrovias, portos, aeroportos e hidrovias de São Paulo.

A missão paulista conta com suporte do Itamarati para fazer a aproximação com as empresas chinesas. Doria exaltou o apoio do governo Jair Bolsonaro à missão. “Estamos no mesmo compasso de brasilidade para ampliar investimentos com união e ação integradas”, disse o governador paulista.

Fonte: Abifer

Chineses demonstram interesse em investir no projeto do TIC – Trem Inter Cidades.

Postado em: 07-08-2019 por:cptmcampinas | Visitas: 700 | Comentários:1

1

Nesta segunda (5/8), no primeiro dia de reuniões da missão internacional à China, o Governador João Doria esteve com o Presidente da China Railway Construction Corporation (CRCC), Chen FengJian, que demonstrou interesse em investir em projetos de infraestrutura em SP, especialmente no Trem Intercidades, que ligará São Paulo às regiões de Campinas.

“Estamos bastante satisfeitos com o primeiro dia de nossa missão à China. Hoje participamos de reuniões importantes e promissoras para SP. Um delas foi com o senhor Chen FengJian, presidente do grupo CRCC, um dos maiores grupos de construção ferroviária da China, quando pudemos apresentar nosso projeto de desestatização e infraestrutura “, comentou Doria.

“A visita do Governador a Pequim demonstra o real interesse para fortalecer a relação bilateral entre Brasil e China e a confiança da cooperação comercial. Nós, da CRCC e CR20, considerarmos o Brasil, principalmente o Estado de SP, como um mercado promissor para investimentos”, destacou FengJian.

A missão internacional à China inciou com a participação do Governador João Doria no seminário Doing Business in São Paulo and China (Fazendo negócios em São Paulo e China), evento promovido pela agência de promoção de investimentos do Governo de São Paulo, InvestSP e Bank of China, na sede da instituição financeira. O Governador apresentou o seminário “O Potencial Econômico e de Negócios do Estado de São Paulo”.

Em seguida, o Professor ZhouJingtong, economista do Instituto Financeiro do Bank of China falou sobre “O mercado chinês e o potencial de negócios para as empresas paulistas”. Ao término do encontro, representantes de InvestSP e Bank of China assinaram o primeiro protocolo de intenções da viagem.

Em seguida, o Governador esteve com Chen TingKe, Diretor-Geral da Sinosure, seguradora chinesa de crédito que garante financiamentos para os projetos em execução e futuros.

Na sequência, Doria participou de mais duas reuniões de trabalho. A primeira com o Presidente do Fundo de Cooperação Industrial para Expansão e Capacidade Produtiva Brasil-China, Han Hong Mei. Depois almoçou com o presidente do grupo CRCC, Chen FengJian. Durante a tarde, apresentou os projetos de desestatização no GRI China-Latam InfrastructureSummit& Week.
No final do primeiro dia da viagem, o Governador recebe a delegação empresarial paulista em um coquetel de boas-vindas no Hotel St. Regis. Cerca de 35 empresários são aguardados, entre eles Roberto Padovani (Banco Votorantim), Priscila Belmonte Silva (Colormaq), Colin James Francis (Café Santa Monica), José Veloso Dias Cardoso (Abimaq), Evandro Gussi (Unica), Frederico Humberg (AgriBrasil) e Ricardo Gracia (Calçados Kidy).

Missão China

A Missão China é a quarta missão empresarial de São Paulo no mercado externo e a maior de todas. Em busca de investimentos para o Estado de São Paulo, Doria, junto com um grupo de empresários e secretários de estado, desembarcou no dia 5 de agosto, em Pequim onde fica até dia 11, com agenda também nas províncias de Xian e Xangai.

“Teremos duas inovações, pois estamos levando 35 empresas brasileiras para o contato direto com investidores internacionais. O segundo fator inovador é a abertura do escritório da InvestSP em Xangai, na China, no próximo dia 9 de agosto. O escritório vai ser um ponto de apoio para as empresas brasileiras, localizadas em São Paulo, na exportação de produtos e serviços. Além de apoiar o Governo no programa de desestatização, que é parte significativa na agenda de relação com a China”, declarou o Governador.

Fonte: Diário Regional

Trem Intercidades é tema de encontro em Hortolândia.

Postado em: 06-08-2019 por:cptmcampinas | Visitas: 467 | Comentários:0

0

Foto: revistaferroviaria.com.br

Com a presença do presidente da ABIFER, Vicente Abate, e do diretor da Estação da Luz Participações (EDLP), Roberto Meira, acontece, nesta quinta-feira, 8 de agosto, na Câmara de Vereadores de Hortolândia (SP), o I Seminário da Frente Parlamentar sobre Trem Intercidades.

O evento, proposição do vereador John Lennon, debaterá a inclusão da cidade e região no projeto de expansão da malha ferroviária do Governo do Estado.

Fonte: Abifer

Alexandre Baldy, Secretário dos Transportes Metropolitanos de São Paulo, ouve da ANTT que medidas para viabilizar projeto do Trem Intercidades devem sair em 30 a 40 dias.

Postado em: 04-05-2019 por:cptmcampinas | Visitas: 1.226 | Comentários:0

0

Representando o governador João Doria, o Secretário dos Transportes Metropolitanos de São Paulo, Alexandre Baldy, esteve esta semana na Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT, em Brasília. O foco da visita foi o projeto do Trem Intercidades – TIC.

Acompanhado do presidente da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), Pedro Moro, Baldy participou de uma reunião com o Diretor-Geral da ANTT, Mario Rodrigues Jr, na qual estava ainda Bernardo Figueiredo, representante do Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID.

Num vídeo publicado em sua página oficial do Facebook, em que reporta o encontro em Brasília, Baldy pede ajuda ao Diretor da ANNT na resolução do projeto do Trem Intercidades entre São Paulo e Americana, “para que nós tenhamos um cronograma oficial de colocar à disposição do setor provado para investir no projeto, seja de PPP, seja de concessão”

Em resposta, Mario Rodrigues reafirma a existência de um compromisso entre o ministro da Infraestrutura e o governador João Doria para viabilizar o projeto do TIC. Segundo o Diretor da ANTT, duas questões já estão definidas: uma carta da concessionária Rumo que deverá ser entregue na próxima semana, e na sequência a realização de uma reunião para a preparação do aditivo contratual.

As duas ações são complementares: a Rumo deverá aceitar o compartilhamento do trecho para uso do transporte de passageiros, e respeitada esta condição poderá solicitar a renovação da concessão que expira no próximo ano.

Isso porque o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes, em audiência na Comissão de Transportes da Câmara dos Deputados no dia 3 de abril de 2019, afirmou que o governo federal vai atrelar a implantação do projeto do Trem Intercidades à renovação da concessão das linhas férreas.

Em sua manifestação aos parlamentares, Tarcísio disse que as empresas que exploram os trilhos entre São Paulo e Americana teriam de entrar em um acordo sobre a implantação do trem de passageiros. Como a concessão está chegando ao fim, o projeto do TIC seria condição prévia para a renovação da autorização que as companhias têm para operar o trecho com transporte de cargas.

No dia 23 de março, num evento no interior de São Paulo, o governador João Doria passou um recado à Concessionária Rumo, que detém a concessão do trecho ferroviário em Americana e não teria ainda se mostrado disposta a disponibilizar os trilhos para o transporte de passageiros. Doria afirmou que a “Rumo vai ter que tomar o rumo e vai seguir a mesma linha do governo”.

PARA SAIR DO PAPEL.

O Trem Intercidades (TIC) consta de uma apresentação da STM – Secretaria de Transportes Metropolitanos obtida pela reportagem do Diário do Transporte no final de março.

O documento prevê a concessão, operação, manutenção e obras de requalificação da Linha 7-Rubi, que liga a estação da Luz a Jundiaí, e o Trem Intercidades.

Com prazo de 30 anos, a concessão estima investimentos de R$ 7 bilhões.

O projeto do TIC, designado como Serviço Expresso, partirá da estação Barra Funda com paradas em Jundiaí e Campinas, numa extensão de 102 km e tempo de viagem estimado em 60 min.

Já o projeto da Linha 7-Rubi incluirá um Serviço Parador, ligando as cidades de Valinhos, Vinhedo, Louveira e Jundiaí e integrando em Francisco Morato, com extensão de 65 km e 9 Paradas.

No caso do TIC Serviço Expresso, a demanda prevista é de 68,5 mil passageiros/dia.

No Serviço Parador da Linha 7 – Rubi, entre Luz e Jundiaí, com extensão de 60,5 Km e 18 estações no total, a demanda é de 442 mil passageiros/dia.

PARCERIAS COM CONCESSIONÁRIAS DE FERROVIAS.

O governador João Doria tem procurado realizar parcerias com empresas que detém concessões de trechos ferroviários no estado.

No final de janeiro, o governador paulista anunciou, juntamente com o ministro da Infraestrutura, um acordo para viabilizar a construção do Ferroanel, obra que atenderá tanto o transporte de carga como o de passageiros.

Os investimentos para a linha férrea de 53 km virão dos recursos provenientes da outorga de concessão ferroviária da MRS Logística, de R$ 3,5 bilhões, que serão investidos pelo Governo Federal. Eles só serão possíveis graças à antecipação da prorrogação do contrato com a MRS por mais 30 anos.

A obra permitirá finalmente que os trens de passageiros da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) deixem de compartilhar os trilhos com o transporte de carga. Com a obra pronta, a carga será transportada em via exclusiva.

Oficialmente, em nota, a STM afirmou não reconhecer o relatório, e que ainda não definira as prioridades dos investimentos:

“A Secretaria de Transportes Metropolitanos desconhece o relatório divulgado sobre investimentos da pasta. Projetos e obras da Secretaria estão em fase de reconhecimento pela nova gestão para a definição de prioridades.”

O Diário do Transporte confirmou a existência do documento de intenções junto a fontes ligadas à pasta, que reiteraram que as estimativas são levadas em consideração, mas que não se tratam da versão final dos projetos.

No dia 2 de abril, o próprio Secretário Alexandre Baldy confirmou, em entrevista ao Valor Econômico, que iria apresentar ao governador João Doria o que chamou de ambicioso plano de mobilidade, com projetos e metas para 2022. Algumas ações já começariam neste ano, se depender da vontade do chefe da pasta.

Fonte: ABIFER

Governo Federal vai impor Trem Intercidades como condição para renovar concessão de ferrovias.

Postado em: 04-04-2019 por:cptmcampinas | Visitas: 808 | Comentários:0

0


Confira o vídeo

O governo federal pretende atrelar a implantação do trem intercidades, que vai ligar São Paulo a Americana (SP), passando por Jundiaí (SP) e Campinas (SP), à renovação da concessão das linhas férreas, que atualmente são de responsabilidade das empresas de trens de cargas. A informação foi confirmada nesta terça-feira (3) pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes, em audiência na Comissão de Transportes da Câmara dos Deputados.

De acordo com o ministro, as empresas que exploram os trilhos entre São Paulo e Americana ainda não entraram em um acordo sobre a implantação do trem de passageiros e, como a concessão está chegando ao fim, o transporte intercidades entraria como uma condição para renovar a autorizar que as companhias têm para operar o trecho.

“Nós vamos utilizar a faixa de domínio para prover o trem intercidades. Para nós é uma revolução porque seria a primeira iniciativa de trem de média velocidade de passageiros do Brasil”, explicou o ministro da Infraestrutura, que confirmou para a próxima semana uma reunião com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), para conversar sobre o projeto.

Em dezembro, durante outra audiência na Comissão dos Transportes, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) informou que defende o prolongamento do trem intercidades até Limeira (SP).

O PROJETO

O projeto do trem intercidades de passageiros é uma das bandeiras de campanha do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) e foi apresentado pela primeira vez à União em 2015. Em agosto, o governador eleito João Doria (PSDB), ainda como candidato, afirmou a intenção de firmar uma Parceria Público-privada (PPP) para viabilizar a implantação do trem e evitar o uso de dinheiro público na construção das linhas férreas.

O plano inicial do projeto é a ligação de São Paulo a Americana, partindo da estação no bairro Água Branca, e percorrendo 137 quilômetros com paradas em dez estações. Dos 137 quilômetros de extensão do trecho, 83 estão sob administração da Rumo Logística Operadora Multimodal e os outros 54 da MRS Logística.

Fonte: Revista Ferroviária

ANTT e RUMO Logística divergem sobre compartilhar linha para o Trem Intercidades.

Postado em: 21-01-2019 por:cptmcampinas | Visitas: 1.366 | Comentários:1

1

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e a Rumo Logística, concessionária da linha férrea que corta Americana, divergiram ontem sobre o compartilhamento da infraestrutura para a implantação do chamado “Trem Intercidades” para o transporte de passageiros, ligando São Paulo a Campinas e Americana.

O projeto, orçado em R$ 5,4 bilhões, precisa de uma nova via exclusiva para passageiros no trecho entre Campinas e Americana, segundo a Rumo. Para a agência, o ideal seria o compartilhamento da infraestrutura atualmente concedida à empresa. A prioridade da Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos para viabilizar o Trem Intercidades será dos trechos entre São Paulo e Campinas, e de Campinas a Americana.

O projeto do governo estadual para ligar as regiões de Campinas, Vale do Paraíba, Baixada Santista, Sorocaba e São Paulo, através da malha ferroviária paulista, terá recursos viabilizados por meio de parcerias público-privadas (as PPPs).

Dos 137 quilômetros de extensão do trecho da linha São Paulo-Campinas-Americana do Trem Intercidades, 83 km estão concedidos à Rumo Logística, e 54 km à MRS Logística.

Para a ANTT, responsável por regular, supervisionar e fiscalizar as atividades de prestação de serviços e de exploração da infraestrutura de transportes, haverá compartilhamento da infraestrutura atualmente concedida.

Mas a Rumo Logística discorda. Questionada sobre o compartilhamento, no trecho de Americana-Campinas-Jundiaí, a empresa garantiu a ação apenas em uma parte da linha férrea.

[Correio-RAC] Bird sinaliza apoio ao Intercidades.

Postado em: 17-01-2019 por:cptmcampinas | Visitas: 798 | Comentários:0

0

O Banco Mundial (Bird) sinalizou ontem que poderá atuar como parceiro do governo paulista com recursos não reembolsáveis tanto no início do projeto quanto no financiamento da implantação do Trem Intercidades (TIC), previsto para ligar as regiões metropolitanas de São Paulo, São José dos Campos, Santos, Sorocaba e Campinas.

Há, no entanto, uma grande barreira a ser vencida na região de Campinas. De São Paulo a Jundiaí, o trem virá pelos trilhos da CPTM, mas de Jundiaí a Campinas, é concessionado e será preciso convencer a Rumo Logística, que opera cargas nesse trecho, a devolvê-lo ao governo federal.

A Rumo evitou falar em devolver o trecho entre Jundiaí a Campinas, que é parte da concessão. A empresa informou, em nota, que foi assinado um termo de compromisso entre a concessionária e o governo do Estado quanto à utilização do trecho entre Jundiaí e Campinas, que tem maior vocação para o transporte de passageiros (por ser contíguo ao trecho da CPTM e também por ter o maior contingente populacional). O trecho tem pequeno tráfego de cargas e pode ser compartilhado.

Mas em trechos de grande densidade de cargas, como é o caso de Campinas a Americana, o compartilhamento se torna inviável, segundo a concessionária.
Nesses casos, de acordo com a Rumo, o mais adequado seria a construção de via exclusiva para passageiros, que ficaria a cargo do Estado ou do futuro operador do trem de passageiros.

O governo quer lançar o chamamento público até o final do ano, para a implantação do TIC. A intenção é entregar o empreendimento para que a iniciativa privada execute, por meio de uma parceria público-privada (PPP).

Secretário

O secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, disse ontem, após reunião com técnicos do Bird, que ao contrário de governos anteriores, o atual se coloca como aliado para viabilizar a implantação do intercidades.

“Antes o governo federal não pressionava como está ocorrendo agora. Quando ganhamos o governo federal como aliado, ganhamos força, porque só ele tem poder de pressionar a concessionária a devolver o trecho de Americana a Jundiaí, para que o governo federal nos repasse a concessão e a CPTM, após definição da modelagem que adotarem para viabilizar o TIC, faça as intervenções necessárias na ferrovia”, afirmou o secretário de Transportes.

Ele determinou ontem que a CPTM já inicie as avaliações das intervenções que precisarão ser feitas entre Jundiaí e Americana. O banco, segundo ele, apresentou estudo de algumas modelagens (técnica, jurídica, econômico-financeira) para viabilizar a implantação do TIC e o governo, informou o secretário, escolherá a que for mais rápida, menos burocrática e mais benéfica aos usuários. A utilização dos trilhos já existentes vai pular etapas. “Se tivéssemos que construir uma nova ferrovia, precisaríamos de licenciamento ambiental, de desapropriações”, afirmou.

Ainda esta semana, a equipe de Baldy começará a tratar, com o Ministério da Infraestrutura e a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), os procedimentos para que o trecho seja transferido ao governo do Estado. Segundo Baldy, o banco solicitou mais informações especialmente em relação ao trecho concessionado, que serão obtidos esta semana, para fechar o cronograma de implantação do TIC nas regiões metropolitanas paulistas até 10 de fevereiro. Nas demais regiões metropolitanas também há trechos que estão sob concessão e que precisarão ser negociados com as empresas que operam carga.

No caso de Jundiaí a Campinas, afirmou Baldy, os trilhos são pouco usados para o transporte de carga e ele acredita que haverá maior facilidade na negociação com a concessionária.

Governador de São Paulo retoma promessa de trens entre cidades do interior e a capital paulista.

Postado em: 15-01-2019 por:cptmcampinas | Visitas: 801 | Comentários:0

0

Plano é licitar até o fim do ano ramais até Americana, passando por Campinas, e São José dos Campos.

Após seguidos planos que empacaram nas últimas décadas para conectar cidades do interior à capital paulista por linhas de trens, o governo João Doria (PSDB) prevê retomar essa antiga promessa de seguidos governos paulistas.

O primeiro passo deverá ser a interligação das cidades de Americana, Campinas e São José dos Campos a São Paulo, com o projeto TIC (Trem Intercidades).

Nesta terça-feira (15), o governo paulista recebe técnicos do Banco Mundial e do Banco Interamericano de Desenvolvimento com propostas para tirar o projeto do papel.

Só nos últimos 15 anos, já foram apresentados quatro projetos do tipo, incluindo um do governo federal. Sem estudos aprofundados e garantias de financiamento, os planos nunca avançaram.

Durante a campanha, Doria disse que iria tornar realidade o projeto da ligação ferroviária rápida, confortável e eficiente entre as principais regiões metropolitanas. Segundo ele, isso será viável graças a uma PPP (parceria público-privada) com a participação de investidores estrangeiros.

A promessa de Doria foi a de interligar Americana e Campinas, Sorocaba, Pindamonhangaba e Santos à capital, conectando uma área que reúne mais de 20% do PIB nacional.

Segundo uma propaganda eleitoral de Doria, os trens teriam uma velocidade média de 170 km/h.

A atração desse projeto é tanta que durante a campanha o ex-governador Márcio França (PSB) também fez a promessa de levar o trem de São Paulo a Campinas. Ele chegou a fazer uma viagem simbólica de trem entre as cidades para divulgar o projeto.

Após a eleição, e agora no governo estadual, Doria pretende avançar no projeto de trens regionais focando em dois ramais: até Americana (passando por Campinas) e até São José dos Campos. O governo diz querer lançar a licitação desses dois trechos ainda neste ano.

O TIC foi um dos assuntos tratados por Doria em Brasília com o ministro da infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, na última sexta-feira (12).

Outros assuntos debatidos foram a concessão da rodovia Rio-Santos, que poderá entrar no pacote de concessões de estradas federais com a via Dutra, e o Ferroanel, que consiste na construção de vias exclusivas para os trens de carga na Grande São Paulo.

É um avanço enorme que os governos do estado e federal estejam finalmente conversando, diz José Manoel Ferreira Gonçalves, presidente da Ferrofrente (Frente Nacional pela volta das Ferrovias).

Até agora, o trecho mais divulgado é o que ligará Americana à São Paulo, passando por Campinas e Jundiaí, num trajeto de 135 quilômetros e nove estações ferroviárias.

Inicialmente, prevê-se o transporte de 68 mil passageiros por dia. Ele deverá operar junto com a linha 7-Rubi da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) -que já vai até Jundiaí.

A obra que vem sendo anunciada por Doria começou a ser estudada no governo Geraldo Alckmin (PSDB), em 2013. O projeto original visava usar as áreas já desapropriadas ao lado das linhas de trens existentes e construir novos trilhos específicos para o transporte de passageiros em média distância, o que permitiria velocidades maiores dos trens.

Doria reafirma trem intercidades entre SP e Americana

Postado em: 17-12-2018 por:cptmcampinas | Visitas: 942 | Comentários:1

1

Em entrevista concedida a jornalistas do interior de São Paulo na semana passada, o governador eleito João Doria voltou a dizer que irá construir um trem intercidades, que ligará São Paulo até Americana. Segundo Doria, conforme falado anteriormente, a linha será tocada com ajuda do setor privado, e em uma ação coordenada entre o estado e os municípios.

“Só poderemos colocar de pé esse programa se os municípios por onde a linha férrea já passa estiverem apoiando”, disse Doria.

Segundo estudos do atual governo, a composição passará por São Paulo, Jundiaí, Campinas e Americana, em 135 quilômetros de trilhos e nove estações. A estimativa é de que a ferrovia transporte 68 mil passageiros por dia.

Em fevereiro deste ano, a Secretaria de Estado de Logística e Transportes contratou a Deutsche Bahn para estudos do Plano Diretor de Mobilidade, voltado à implantação do trem intercidades.

Leia Mais: Depois de eleição, promessa de trem entre Campinas e São Paulo não sai do papel

Fonte: Revista Ferroviária

Inline